segunda-feira, 7 de agosto de 2017

O Brasil hoje é representado por corruptos

Após o tenebroso arquivamento do processo de investigação de Michel Temer através da aprovação do relatório desenvolvido por Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), recomendando o arquivamento do processo, não há mais dúvida que o Brasil é hoje representado politicamente, no seu poder executivo e legislativo, por corruptos que não tem mais medo de esconder isso da população e do mundo.


Não vejo nome mais apropriado para descrever a sessão da Câmara dos Deputados que arquivou o processo de investigação de Michel Temer do que “A Sessão da Vergonha” como foi denominada nas redes sociais. Outro nome possível seria “O Show de Horrores”, principalmente pelas justificativas dadas pelos Deputados para votarem a favor do relatório, a favor de Michel Temer, a favor da corrupção e contra o povo. 

Entre as vergonhosas justificativas dos defensores do relatório que protegia Michel Temer das investigações foram citados: “a estabilidade política", "a estabilidade econômica", "o retorno do emprego", "a esperança do povo Brasileiro" e outros tiveram a audácia de dizer que são "a favor das investigações de Temer, mas depois que ele sair da presidência”. Há um lugar melhor para alguém que deve ser investigado do que a presidência de um país? Essa é a lógica desse e de todos os deputados que votaram a favor da permanência de Michel Temer, comprovadamente, envolvido em corrupção na presidência do nosso país. O que me alegra é que 85% da população não pensa como eles e queriam ver Temer fora da presidência imediatamente para ser investigado. 

Para quem realmente tem um pouco de capacidade de pensamento essas justificativas não convence nem em uma análise primária. Estabilidade política dificilmente teremos com alguém cercado de corruptos comprovados nos ministérios como é o caso do governo de Michel Temer. Estabilidade econômica tão pouco, pois essa depende diretamente da política, que certamente não teremos com Temer no poder, pelo menos, enquanto a globo estiver lutando para que ele não fique na presidência. O retorno do emprego com essa política econômica recessiva e destruidora de direitos sociais e trabalhistas não será possível de acordo com as necessidades do país e da população, já que sem crescimento econômico real, o aumento de número de pessoas empregadas em grande proporção no Brasil é quase impossível. Por fim, tiveram políticos que disseram que Temer hoje é a esperança do povo brasileiro por um país melhor, como se Temer não tivesse apenas 5% de aprovação da população brasileira segundo os institutos de pesquisa.

Eles já não escondem mais a compra de votos de parlamentares a céu aberto, através das emendas distribuídas pelo presidente para vencer a votação que poderia o afastar do poder. O mais interessante de tudo isso é que esse procedimento é muito similar ao que dizem que ocorreu no Mensalão do PT, que estarreceu naquele momento a população brasileira, inflada pela indignação midiática, mudando apenas a sua forma, mas repassando dinheiro público para que os Deputados votassem de acordo com as necessidades do executivo. Porque no Mensalão vale toda aquela comoção nacional e nesse caso não vale nem questionamentos? A hipocrisia tomou conta da nossa política, assim como da nossa justiça, essa última, que ha 19 anos não julga o Mensalão do PSDB Mineiro administrado por Eduardo Azeredo, então governador de Minas Gerais. Processo que ao completar 20 anos se tonará prescrito e sem a possibilidade de gerar condenação.

E assim vamos caminhando rumo ao abismo político, institucional e financeiro. O Brasil teve nesse ano o maior deficit primário da nossa história e como medida para se manter no governo o presidente aumenta os recursos de Emendas Parlamentares em 4 bilhões apenas nesse mês de julho  e ainda cria uma medida provisória que retirará outros 10 bilhões do orçamento da Previdência Social com o refinanciamento de dívidas dessa área para grandes ruralistas, obtendo assim o apoio dessas bancadas na Câmara dos Deputados. Ou seja, ele tira do povo através de aumento dos combustíveis e da Previdência Social, que segundo ele é deficitária e leva o Brasil a crise fiscal que se encontra,  e repassa esses recursos para parlamentares e ruralistas para que eles possam continuar a apoiar as políticas que retiram os nossos direitos como a proposta da Reforma da Previdência que será colocado em pauta novamente no decorrer dos próximos meses. 

Nessa decisão do parlamento toda a população brasileira perdeu, em certa medida. Perdeu porque as nossas instituições ficam cada vez mais desacreditadas, especialmente, as instituições políticas. Perde porque o nosso Congresso claramente não nos representa. Mas das grandes perdas podem vir também grandes mudanças. 

O povo pode através dessas demonstrações compreender o quanto votam mal, o quanto não se organizam para ter verdadeiros representantes dos seus interesses nas casas legislativas e por isso sofrem tantas derrotas nos momentos mais importantes do país. Após compreender isso teremos a possibilidade de não votar nesses políticos e partidos que não nos representam, sendo os principais deles que votam sistematicamente contra o povo e agora em defesa de Temer: DEM, PMDB, PP, PRB e o PSDB que teve os seus votos divididos nessa votação mas, teve o relator que votou pelo arquivamento do processo de investigação de Temer e apoiam todas essas ações de retirada de direitos do povo, incluindo, a Reforma da Previdência.

Ou o Brasil muda a sua forma de votar e a configuração do nosso Congresso o mais rápido possível ou certamente o Brasil não terá condições de manter os seus serviços públicos por muito tempo com esses políticos corruptos que tem destruído as nossas riquezas, os nossos empregos e os nossos direitos. Que o povo Brasileiro não vote em nenhum desses políticos e partidos que lutam a favor da corrupção e da compra de votos a luz do dia e na frente de todos. 


Anderson Silva