sexta-feira, 30 de junho de 2017

Temer indica a sua Procuradora-Geral da República

Como era esperado e já havia sido anunciado no post “Temer pode dar xeque-mate na justiça e no Brasil”, Michel Temer escolheu na noite de ontem Raquel Dodge para suceder Rodrigo Janot. A indicada a Procuradoria foi a segunda mais votada na eleição realizada entre os procuradores. Desde 2003, todos os mais votados eram os indicados pelo presidente para assumir a PGR. Temer deixou de escolher Nicolao Dino que foi o mais votado para escolher a segunda mais votada mesmo tendo prometido manter a tradição de escolher o primeiro indicado dos Procuradores Federais para assumir a Procuradoria Geral da República.


Como era de se esperar Temer foi novamente Temer. Diferentemente das ações tomadas pelos presidentes do PT que visavam um republicanismo tentando não se envolver nas ações e comandos ligados ao judiciário e ao Ministério Público, Temer mostrou a que veio e nomeou a segunda da lista de mais votados pela ANPR para ser a nova Procuradora-Geral da República.

O que isso representa para o Brasil? O Procurador-Geral da República tem um papel importantíssimo no nosso país, especialmente no contexto atual em que os nossos representantes políticos estão, em grande parte, envolvidos em corrupção e na luta para se salvar dos processos ligados a Lava Jato. Entre as prerrogativas do Procurador-Geral da República está a possibilidade de solicitar a abertura de inquérito ao Supremo Tribunal Federal dos políticos que possuem foro privilegiado, inclusive do Presidente da República.

Portanto, ao nomear uma procuradora ligada a integrantes do PMDB e a juízes conhecidos de Michel Temer há uma grande possibilidade de que ela favoreça os interesses políticos do governo atual e dos seus aliados, evitando de pedir investigações do atual presidente e de políticos de sua base de governo. 

Temer em pouco tempo de mandato conseguiu aparelhar três importantes poderes ligados ao judiciário para se manter no poder. Nomeou dois Ministros do TSE, que eram os responsáveis por julgar a chapa Dilma-Temer, nomeou um Ministro do STF que foi sorteado de forma muito controversa, para ser o relator dos processos de importantes aliados políticos do PSDB e, atualmente está nomeando o Procurador Geral da República, responsável por solicitar a abertura de inquérito de todos os políticos que possuem foro privilegiado no STF. Um aparelhamento total do Estado e dos órgãos ligados a justiça no país. Isso mostra o quão irresponsáveis foram as pessoas que buscaram a derrubada do governo legítimo de Dilma Roussef, bem como aqueles que acabaram votando para que Michel Temer assumisse o poder através de um Impeachment. Dar todo esse poder a uma pessoa como Temer é um escárnio para qualquer país do mundo e isso já foi percebido pelos países do exterior que não respeitam mais o chefe de Estado ilegítimo e acusado de ser chefe de quadrilha.

Com todos os problemas que surgiram nos últimos dias Temer sai de possível derrotado da semana, com as visitas internacionais cheias de garfes cometidas por ele e do pedido de investigação solicitado pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para o grande vencedor político ainda no meio da semana com a nomeação da nova Procuradora Raquel Dodge. Com a antecipação dessa indicação ele consegue frear as ações de Rodrigo Janot que certamente perderá forças na Procuradoria Geral da República por não fazer parte do grupo que irá coordenar as atividades a partir de setembro quando acaba o seu mandato, uma vez que o seu candidato preferido era Dino o mais votado. Portanto, daqui pra frente Rodrigo Janor terá dificuldades para seguir suas ações no intuito de prosseguir com as investigações à Temer.

Temer venceu também no Congresso, onde, mesmo após a deúncia de Rodrigo Janot, conseguiu passar na Comissão de Constituição e Justiça o projeto da Reforma Trabalhista, que certamente acabará com vários direitos previstos na CLT, demonstrando a força do governo junto aos seus pares políticos em sua maioria envolvidos em corrupção.

O que vemos é que as instituições realmente estão lutando no momento unicamente para a manutenção de seu poder e as ações tomadas pelos principais representantes delas de forma direta ou indireta sempre afetam negativamente o povo. Vamos ver até quando esse cenário vai durar. Os retrocessos sociais vividos nos últimos meses e os que estão por vir nos próximos anos para o povo, que não possuem esse poder de influência, por responsabilidade, muitas vezes sua, por não valorizar o seu voto e escolher melhor os seus representantes, tendem a ser cada vez mais pesados. As perspectivas do futuro são de investimentos cada vez menores, gerando mais desemprego, queda na renda dos trabalhadores, aumento dos preços dos serviços e a volta a um passado não muito distante de dificuldade, inclusive, de subsistência para um grande número de famílias. É o que uma política neoliberal tende a trazer para um país tão desigual quanto o Brasil. 

Que o povo coloque a mão na consciência e valorize o seu voto não deixando que esses Congressistas que estão votando contra os seus direitos sejam reeleitos no ano que vem ou certamente entraremos em estado de calamidade pública daqui a um curto espaço de tempo. 

Anderson Silva

Saiba mais no post: TEMER PODE DAR XEQUE MATE NA JUSTIÇA E NO BRASIL http://andersonsilvaesociedade.blogspot.com.br/2017/06/temer-pode-dar-xeque-mate-na-justica-e_3.html